Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



No eléctrico

por MC, em 09.03.15

 

O céu entornava o lusco-fusco vagarosamente sobre a cidade. O eléctrico arfava, cansado, ladeira acima. As luzes das ruas e os néons das lojas iam-se acendendo para receber a noite e reflectiam-se nas gotículas peganhentas que a morrinha deixava na calçada. Na paragem, várias pessoas, encolhidas e desconsoladas, olhavam com inveja a confraria forçada onde não conseguiram entrar.

A D. Alzira olhou para fora e teria suspirado de alívio, se espaço houvera para os seus pulmões se encherem de ar, ali apertadinha onde se encontrava, entre o passageiro da frente e a porta automática que se fechara peremptoriamente atrás si na paragem anterior.

Por ali se foi aguentando e só um bom pedaço mais tarde, quando conseguiu assomar à frente da carruagem, vislumbrou a vizinha Lurdes, sentada no terceiro banco da ala esquerda. E logo lhe lançou um sonoro “’tão, vizinha, como vai a vida?”. A vizinha Lurdes olhava sem ver, confinada aos seus pensamentos e indiferente ao linguajar asiático dos turistas que tagarelavam em segmentinhos empolgados e enérgicos à sua volta.

Assim que ouviu a voz amiga da vizinha, a D. Lurdes procurou-a por entre o emaranhado humano do eléctrico. Logo que a viu soltou um “ai vizinha!”, mesmo lá do fundo das entranhas, e os seus olhinhos pequeninos e olheirentos encheram-se de lágrimas. “Então? Então?”, dizia de lá a vizinha Alzira, “É a sua Luisa? Não está melhor?”. “Venho da visita… encontrei-a muito caída, vizinha, muito caidita… e ainda a radioterapia vai na terceira sessão”, choraram-lhe os olhos e a voz.

O gume da palavra ‘radioterapia’ furou as bolhas diáfanas onde flutuavam os pensamentos dos passageiros. “Ó D. Lurdes, tem de ter calma, vai tudo correr bem, vai ver… ela ainda é rapariga nova, há-de ter força e ultrapassar esta má fase. O ‘problema’ dela é no útero, não é?”, continuava a D. Alzira lá da ponta da carruagem. E ao ver a cabeça da D. Lurdes a confirmar, continuou: “olhe, até lhe digo que é um bom sítio para se ter uma ‘coisa dessas’. Já se fosse nos ovários não lhe dizia o mesmo… mas no útero! Não vê a minha tia Alice? Coitadinha… o susto que a gente apanhou, já vai para trinta anos e ainda lá está, quase nos noventa!”

De onde se encontrava, a D. Alzira reparou nas várias cabeças que concordavam com ela, movendo-se encorajadoramente para cima e para baixo e a sua empatia ganhou ânimo. “Até lhe digo, vizinha: se eu tivesse que ter ‘uma doença dessas’ era nesse sítio que a preferia.” Uma senhora no banco de trás, ao perceber o ar descrente da D. Lurdes, declarou: “Olhe que tem toda a razão, a sua amiga! Conheço várias pessoas que tiveram ‘esse problema’ e estão todas benzinho, graças a Deus! Eu também, se tivesse que ser, era onde escolhia”, rematou.

“Ou isso ou na tiróide. Também é um bom sítio”, discorreu uma velhota do banco do fundo, quase escondida por um senhor gordo de gabardina que se equilibrava na sua frente. “Eu fui operada, tiraram-me a tiróide, fiz uns tratamentos e cá estou, ainda a pôr um pé à frente do outro, como Deus manda! E não me faz cá falta nenhuma, a tiróide!”, retorquiu como quem prescinde de um luxo inútil.

“Bem, na pele também pode não ser mau”, contribuiu o senhor da gabardine, “dependendo do sítio… se for assim num dedo, ou num local onde passe menos sangue”, completou, confiante perante os acenos de concordância que o seu comentário suscitou. E todos largaram a opinar sobre qual o melhor sítio para ter ‘uma doença daquelas’, numa conferência espontânea e desorganizada que se alongou muito para além das Escolas Gerais, onde as duas vizinhas se apearam.

O meu amigo, Britânico de Hampstead (onde ninguém esboça um sorriso a ninguém antes de um período inicial probatório de duas décadas e meia) analisava, perplexo, o nível de interacção espontânea que se formou ali em menos de um fósforo. Quando finalmente consegui convencê-lo de que toda aquela cavaqueira era inopinada e fortuita, exclamou: “You bloody outgoing fellows, aren’t you, though?” Anuí com bonomia. E também fingi que não ouvi quando inquiriu o tema da conferência. Não vi razão para confundi-lo ainda mais.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 22:16


Este estendal é meramente um exercício de egocentrismo. É a roupa que eu estendo, quando calha.

foto do autor


Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D